f

Get in on this viral marvel and start spreading that buzz! Buzzy was made for all up and coming modern publishers & magazines!

Fb. In. Tw. Be.

Harvard faz história a favor do Meio Ambiente

Após 10 anos de mobilização, protestos, ocupações de salas da administração, algumas prisões e até invasão de jogo de futebol americano da universidade, os ativistas ambientais de Harvard venceram a batalha para tirar todo e qualquer dólar, dos U$ 42 bilhões (R$ 219 bi) que a universidade possui no seu endowment, de investimentos diretos e/ou indiretos em combustíveis fósseis (carvão, petróleo, gás, etc). A decisão anunciada dia 09/09/2021 pelo atual presidente da universidade, Lawrence Bacow, encheu de alegria e senso de justiça a todos nós ambientalistas da comunidade harvardiana e foi também uma resposta contundente ao 6o Relatório do IPCC da ONU. 

Um endowment é uma estrutura legal para gerir, e em muitos casos perenizar, uma variedade de investimentos financeiros, imobiliários e de outras naturezas para um propósito específico de acordo com o alinhamento de vontades entre os fundadores, líderes e doadores. De forma resumida, é um fundo de investimento gerido por uma universidade, fundação, instituto ou ONG que financia suas atividades. No caso de Harvard, esse trabalho é feito pela Harvard Management Company (HMC). 

A razão da proclamação do presidente Bacow é que hoje, a HMC alcançou a meta de não possuir mais nenhum investimento direto em qualquer empresa da indústria do carbono, um grande feito de fato. Harvard, a “Boa e Velha H” (Good Old H) como gostamos de chamar, se torna assim a primeira dentre as principais universidades mundiais a o fazer, enquanto já reduziu a 2% do seu portfólio sua conexão de investimento indireta devido aos chamados “investimentos de legado” que já declarou não pretender renovar nos próximos anos. Investimentos de legado são participações em outros investimentos, no caso participações em fundos de private equity, que foram em dado momento transferidos como doações por certo período de tempo para a universidade.

Nas palavras de Bacow, “dada a necessidade de descarbonizar a economia e nossa responsabilidade como fiduciários de fazer decisões em investimentos de longo prazo que dêem suporte a nossa missão de ensino e pesquisa, nós não acreditamos que este tipo de investimentos (combustíveis fósseis) sejam prudentes.” Essa decisão acontece após cerca de uma década de protestos liderados pelos estudantes que conseguiram mobilizar toda comunidade da universidade e de forma metódica e corajosa colocar contra a parede as lideranças de Harvard, o que não é fácil, tendo sido organizados e liderados principalmente pela campanha Fossil Fuel Divest Harvard (FFDH).

De acordo com as lideranças do movimento, “essa vitória massiva… é prova de que o ativismo funciona, é simples assim”. Posso falar como participante e testemunha. Participei no semestre de primavera de 2011 (Fev-Maio) de reuniões dentro das salas de convivência dos nossos dormitórios estudantis que resultaram nos primeiros protestos na Harvard Yard (praça da universidade) e na frente do Metrô e depois, enquanto trabalhava com a universidade vi ano após ano, principalmente com a criação do FFDH, como todo movimento ganhou envergadura e aprimorou sua estratégia até ter um grupo de candidatos concorrendo e ocupando posições institucionais na universidade. Não só isso, mas os ativistas ligados ao FFDH, familiarmente conhecido como Divest Harvard articularam bastante durante esse período com políticos eleitos da assembleia estadual de Massachusetts, o que fortaleceu ainda mais a pressão por mudança. 

Como colocou Al Gore, prêmio nobel da paz e ex-vice-presidente dos EUA “…Harvard está finalmente divesting (desinvestindo)… Que esse seja um forte sinal para outras instituições que a era dos combustíveis fósseis está chegando a um fim.” O “disinvestimento” de Harvard é significativo não só pelo seu endowment de U$ 42 bilhões, de longe o maior de todas as universidades no planeta, mas também por toda sua influência nessas instituições e nas organizações corporativas de todo o mundo.

É importante ressaltar que Harvard não só “divested” da indústria do carbono como está reorganizando seus investimentos para empoderar a transição climática para uma economia verde, ação urgentemente necessária frente à Crise Climática que vivemos. Entre as ações deste propósito estão a criação de um fundo de investimento em parceria com o MIT, o The Engine (o motor), que tem como sua missão “acelerar o desenvolvimento de tecnologias que tenham a promessa de solucionar os desafios que a crise climática demanda” e o compromisso de se alcançar emissões zero em todo seu portfólio de investimentos e pegada de emissões até 2050.  

Sim, é mais fácil mobilizar, atuar e vencer numa disputa como essa em Harvard do que num país como o Brasil seja por questões de escala ou nível educacional por exemplo, entretanto, na natureza de qualquer mudança e para que esta seja sustentável está o fato de que ela tem de ser liderada pela comunidade objeto da mesma. A transição climática que temos de realizar no Brasil não vai acontecer de cima para baixo por meio de um poder benevolente, mas sim a partir do nosso povo organizado, atuando e sabendo o que quer.

Realizar algo similar no nosso país é um desafio imenso, mas somos capazes sim de realizar essa mudança começando a nos organizar a partir da nossa juventude, o grupo mais prejudicado na Crise Climática, e atuando fortemente nas escolas e universidades onde preparamos nossas novas gerações. Por mais que Harvard tenha uma realidade distinta da nossa, nada impede que possamos tropicalizar algumas das suas soluções e criar novas que venham a ser aprendidas por eles enquanto construímos um mundo sustentável e resiliente para a sobrevivência de todos nós. Não temos tempo a perder, é preciso focar no que pode dar certo. Parabéns Harvard! Agora, vamos lá que é a nossa vez Brasil!

 

Pedro Henrique de Cristo, Polímata, é professor-visitante de políticas públicas, desenho urbano e arquitetura na Universidad Eafit-Urbam, em Medellín, e na Universidad Diego Portales (UDP), em Santiago. MPP’11 Harvard

 

Twitter: pedrohdcristo

Instagram: Pedro Henrique de Cristo

Harvard faz história a favor do Meio Ambiente

 
You don't have permission to register